Um livro por semana
Um livro por semana
Um livro… de culto.
22.maio.2021

 

O quarteto de Alexandria

 

 

Quarteto de Alexandria é uma tetralogia de romances do escritor Lawrence Durrell, publicados entre 1957 e 1960. Os primeiros três livros apresentam três perspetivas da mesma sequência de acontecimentos e personagens, passados em Alexandria, durante a II Guerra Mundial e o quarto livro passa-se seis anos mais tarde.

 

                                     Justine    Balthazar     Mountolive     Clea

                                             (1957)                                (1958)                                (1958)                                 (1960)

 

“Pela primeira vez em Portugal, a edição reunida e revista pelo autor, em 1962, dos quatro livros que compõem O Quarteto de Alexandria - Justine, Balthazar, Mountolive e Clea. Os quatro romances exploram a sociedade daquela cidade poliglota e cosmopolita, repleta de intrigas, mistério e sensualidade, retomando genericamente uma mesma história sob diferentes pontos de vista, acrescentando e refazendo pormenores e situações. 

Justine, o primeiro livro da tetralogia, centra-se na bela esposa judia de Nessim, um poderoso banqueiro copta, narrando, do ponto de vista de um jovem aspirante a escritor, os encontros e desencontros de um grupo de amigos que se conhecem na cidade de Alexandria no período anterior à Segunda Guerra Mundial. Darley, o narrador, envolve-se com duas mulheres - a misteriosa Justine e a frágil Melissa. A partir desta complexa relação, nasce uma trama carregada de erotismo e subtilezas.

 Em Balthazar o narrador, isolado numa ilha onde vive com a pequena filha de Melissa, recebe a inesperada visita de Balthazar, que lhe entrega o manuscrito de Justine. Relendo o seu próprio texto e os comentários do amigo, Darley revive o seu envolvimento com as mulheres do seu passado e toma conhecimento de novos factos.

 Em Mountolive, o terceiro livro de O Quarteto de Alexandria, o autor apresenta os acontecimentos narrados em Justine e Balthazar sob uma nova perspetiva. A guerra faz a sua aparição e a trama gira agora em torno do embaixador britânico, David Mountolive, tendo como ponto de partida as recordações da sua paixão por Leila, a mãe de Nessim. Darley regressa a Alexandria a pedido de Nessim, levando a menina para que o pai e Justine a conheçam. O regresso do escritor é o fio condutor de Clea, o último volume desta série exuberante e sensual que é considerada uma obra-prima da literatura.“

in O Quarteto de Alexandria, Ed. Dom Quixote

 

 

O quarteto de Alexandria - edição Ulisseia

 

 

E, assim, começa este Quarteto… 

 

Justine

 

 

“O mar está novamente agitado hoje, com rajadas de vento que despertam os sentidos. Em pleno inverno, a primavera começa a fazer-se sentir. Toda a manhã o céu esteve de uma pureza de pérola; há grilos nos recantos sombrios; o vento despoja e fustiga os grandes plátanos…
Retirei-me para esta ilha com alguns livros e com a criança -a filha de Melissa. Não sei porquê, agora, ao escrever penso nesta ilha como num “retiro”. Os habitantes dizem por brincadeira que só um convalescente pensaria em vir para este lugar. Durante a noite, quando o vento ruge e a criança dorme sossegadamente na sua camita perto da chaminé, acendo uma lamparina e começo a andar para trás e para diante, com a mente cheia de recordações dos meus amigos: Justine, Nessim, Melissa e Balthazar.  E, insensivelmente, na senda da memória, regresso à cidade onde as nossas vidas se entrecruzaram e desfizeram, à cidade que se serviu de nós como sua flora – embaraçando-nos nos seus conflitos próprios e deixando-nos convencidos de que a trama das nossas paixões nos pertencia: à bem-amada Alexandria! (…)
Em suma, que é esta nossa cidade? que se condensa sob o nome de Alexandria?“

   

 

 Justine -realizado por George Cukor e Joseph Strick - (1969)

 

“O objeto amado é, simplesmente, aquele que viveu uma experiência igual no mesmo instante, como um Narciso; e o desejo de estar junto do objeto amado é devido, em primeiro lugar, não à ideia de possuí-lo, mas, simplesmente, de permitir a comparação entre duas experiências, como a mesma imagem vista em espelhos diferentes. Tudo isto pode preceder a ambição, o orgulho e a cobiça; preceder as primeiras declarações que assinalam o ponto de viragem – pois a partir daqui o amor degenera em hábito, em posse e… em solidão. Que característica é esta descrição do amor, tão a sério, tão…Justine!”



Balthazar



“Eis o que foi possível reconstituir a partir das notas de Balthazar. «Imaginar não é necessariamente inventar», diz noutro passo, «da mesma maneira que podemos interpretar as ações dos outros sem nos proclamarmos omniscientes. Pode-se presumir que neles os sentimentos brotaram como folhas no ramo de uma árvore. Mas pode reelaborar-se o passado, deduzindo uma coisa da outra? Talvez possa um escritor, se tiver a faculdade e a coragem de cimentar as brechas aparentes, que se revelam nos nossos atos, por meio das suas próprias interpretações, reunindo-as. Que se passava no espírito de Nessim? Eis um problema que lhe entrego intacto.
«Ou então no espírito de Justine?»”


Mountolive



À beira do precipício dos seus sonhos, bela e rica (em Alexandria era conhecida na sociedade pela “andorinha negra”), Leila sentiu que tudo se tornava incolor e insípido.  Devia conformar-se. claro que poderia de vez em quando visitar a europa na companhia do marido para fazer compras… Mas a sua vida pertencia ao Egito. (…). Mas para aclamar a sua curiosidade ativa do mundo, Leila assinava livros e jornais nas quatro línguas que conhecia tão bem como a própria, ou ainda melhor, porque ninguém pode pensar ou sentir no idioma árabe obsoleto e sem dimensões. (…) Tinha perdido o contacto  com a sociedade e sentia-se  cada vez mais estranha no convívio das pessoas que conhecera.(…)
Esta vida solitária tinha de certo modo contribuído para que não estivesse preparada para receber Mountolive, um estrangeiro, no seu meio.“


Clea


“Quanto tempo estive fora? Difícil calcular, pois os calendários dão poucas indicações sobre as eternidades que separam um eu de outro eu, um dia de outro dia; e na verdade vivi sempre, mental emotivamente, em Alexandria. E página após página, pulsação após pulsação, fui-me abandonando ao organismo grotesco a que todos pertencemos outrora, vencedores e vencidos. Uma cidade muito velha, modificando-se sob as pinceladas de mil pensamentos assaltados pela dúvida e pelo desejo de encontrar um significado, uma cidade que procurava desesperadamente uma identidade; algures para o sul, sobre os promontórios sombrios e hirsutos da África, persistia a aromática verdade do lugar, a amarga e intragável erva do passado, a medula da memória. (…) Mas, então… se eu tinha mudado, que seria feito dos meus amigos – Balthazar, Nessim, Justine, Clea…?“



Lawrence Durrell


“Lawrence Durrell (1912-1990) foi um dos mais célebres romancistas ingleses do final do século XX. Nascido na Índia, frequentou o Colégio dos Jesuítas em Darjeeling e a St Edmund’s School, em Canterbury. O seu primeiro trabalho literário, The Black Book, surgiu em Paris, em 1938. A primeira coletânea de poemas, A Private Country, foi publicada em 1943, seguida pela trilogia Island: Prospero’s Cell, Reflections on a Marine Venus e Bitter Lemons.
A sua estada no Egito entre 1942 e 1945, durante a guerra, conduziu-o à sua obra-prima, O Quarteto de Alexandria, uma evocação sensual e brilhante de Alexandria no tempo da Segunda Guerra Mundial, obra que completou no Sul de França, onde se instalou definitivamente em 1957. Publicou ainda O Quinteto de Avinhão, entre 1974 e 1985.”

in  Ed. Dom Quixote


 

 

Lawrence Durrell


Os Durrell - série britânica baseada na Trilogia de Corfu do naturalista inglês Gerald Durrell, que inclui "A Minha Família e Outros Animais", sobre os quatro anos da vida da família na ilha grega de Corfu. Larry, o irmão mais velho, é inspirado em Lawrence Durrell que mais tarde se tornaria um grande nome da literatura.

 

 

Os Durrell

 

 

International Lawrence Durrell Society é uma organização educacional sem fins lucrativos que promove as obras e estudos de Lawrence Durrell.

 

 

Outros livros de Lawrence Durrell:

Mountolive Clea Justine Balthazar

O labirinto das trevas As ilhas gregas Carrossel siciliano Águias brancas sobre a Sérvia

  

Veja outros "Um Livro por Semana".

ENTRELER
Revista digital, anual, livre e gratuita, sobre leitura, escrita e literacias.